YUJA WANG NY CITY, 2017

Navegue pelas diversas páginas

sexta-feira, 15 de junho de 2018

O QUE EU DISSE AO PROFESSOR ABRAÃO SOARES GRACCO NO CAÑOTUS ENTREVISTAS ACERCA DA ARTE E AFINS








Professor dos meus filhos no curso de direito, de inteligência e talento acima da média, converso com o Dr Abraão Soares Gracco em um programa "Cañotus" produzido e apresentado por ele, em que falamos sobre pontos polêmicos acerca da Arte contradizendo o que se entende a partir do senso comum.













segunda-feira, 4 de junho de 2018

ATUALIZADO!!! COM LINKS PARA BAIXAR HQs DE GRAÇA, FREE :OS SUPER HERÓIS E O CONTEXTO QUE OS PRODUZIRAM ( PARTE 1 BATMAN )


Vimos em uma postagem anterior os motivos que levaram a criação singular dos super-heróis no contexto estadunidense, único do século XX entre e sua década e um pouco além da sua segunda metade.

Alguns se referem ao s super-heróis modernos como uma espécie de mitologia moderna relacionando seus aspectos aos ds mitologias históricas como nórdicas, gregas, romanas, etc. Entretanto há uma sutil e importante diferença: nas mitologias étnicas os deuses não se importavam e portanto não socorriam pessoas comuns, não se relacionando empaticamente com os homens.

Já os super-heróis modernos têm um foco e uma inconsciente e apaixonado compromisso em salvar pessoas anônimas e em defender a humanidade. Esse socorro às pessoas anônimas e a proteção da raça humana é o seu grande diferencial. Essa ideia aparentemente emprestada também do cristianismo, cria um legião local de salvadores da humanidade e protetores locais das pessoas. Pessoas essas que se encontram desprotegidas, impotentes diante de  um poder muito superior elas, geralmente de um inimigo que aspira ou a sua dominação ou até extinção.

Nas estórias as contradições humanas são também reveladas e expostas em todo o tempo revelando não só um inimigo externo comum a todos mas inimigos humanos em conluio com esses inimigos, muitos deles extraterrestres, de outros mundos, universos, céus.

O Universo dos heróis  sendo fictício cumpre um importante papel na comunicação humana, o do conto de estórias que configuram relatos claramente inverossímeis que ensinam lições,  constroem personalidades, apontam para superações e formação e consolidação de valores. Ou sejas, sob certo aspecto e dentro de uma normalidade ajuda aformar e definir o que finalmente somos, por proporcionar como imaginação situações em que emoções semelhantes a da realidade possam ser vividas sem traumas reais.

Quando somos jovens experiências virtuais ( possíveis ) nos apontam para o futuro, preparando-nos para experiências rais e semelhantes que em tese passaremos. Quando somos mais velhos e bem aventurados, sortudos os que alcançarem a maturidade e a velhice, passamos a olhar para as lembranças, sejam boas ou ruins e delas, após um balanço tirarmos lições e transmitir essas lições às novas gerações par quem não cometam os mesmos erros e até que os acertos sejam maiores que os nossos próprios.

Sob essa ótica tudo o que os jovens hoje apreciam e que a minha geração quando jovem apreciavam  não eram produzidos por jovens, pois essa equação é impossível e não existe: só se produz algo após a maturidade como legado às novas gerações de pessoas bem mais jovem que vêem nela uma novidade, que de fato não é. Desse modo pé correta a compreensão de que o o que o jovem vê como algo seu, novo e avançado e moderno, na verdade já é velho, vivenciado por alguém que cria algo olhando para trás e não pra frente.

No mundo da tecnologia é exatamente o que acontece, olhamos para coisas atuais e as admiramos como "modernas" e avanços tecnológicos a partir da nossa percepção atual, nada mais enganoso: o celular foi inventado, concebido em 1914 e até pouco tempo um avião como o Boeing 747 voou com tecnologia criada na década de 1950. Inúmeros exemplos poderiam ser citados e explicitados e comprovam que se esta geração e  as próximas não forem apenas consumidoras de coisas, não acrescentarão nada de novo as que vierem depois deles, pois há de fato um delay, um retardo ou atraso, de duas ou mais décadas, vinte anos no mínimo para concepção e amadurecimento de uma grande ideia o de algo realmente novo.

Stan Lee tem mais de 93 anos atualmente, ele e todos os grandes desenhistas que trabalharam com ele sem as tecnologias digitais que agilizam qualquer trabalho em desenho, e antes deles todos os criadores de personagens que permanecem no imaginário das várias e mais jovens gerações estavam décadas a frene de todos nós. Entretanto sempre escreveram e criaram olhando parta o passado dando-nos inconscientemente a sensação de que apontavam para algo futurista.


Os Super-Heróis dos quadrinhos modernos denunciavam a impotência das nações, dos governantes e da própria humanidade em proteger as pessoas e proteger a si mesma de si mesma. Demonstravam a complexidade humana, primeiramente através de personagens planas e a seguinte através de personagens redondas, mais complexas, contraditórias e mais parecidas com todos nós. Nos davam a definição e delimitação entre pessoas boas e pessoas más, entre os diversos poderes que se atracam pela condução dos destinos humanos. Assim como todas as conhecidas mitologias de povos e etnias específicas nos avisam que não estamos tão sozinhos e que não somos tão inteiramente donos de nosso narizes. Que há certamente circunstâncias e condições muito acima das nossas decisões e conduções pessoais da nossa vida cotidiana com tão poucas e pobres aspirações. Nos tiram do lugar comum e do mundo real sem contudo esquecê-lo, omiti-lo ou negá-lo.

Claro que a coisa toda não é tão simples assim e tem tido e tem influência bem diversa de pessoa para pessoa, mas de um modo geral expande a capacidade de apreensão do que é novo, do sobrenatural ou do inusitado. Percepção essa tão necessária à ciência, às artes, a criação em geral ou meso na busca tão importante por soluções necessárias em qualquer área da vida humana.


Logo o que acontece, e lido, visto em um HQ ( história em quadrinhos ) ou mesmo em uma animação, filme a partir dela m não é realmente importante, mas as discussões e o apontamento feito a partir dela.

Os chamados super-heróis constituem uma alternativa secular para construção de estórias ( com "e " mesmo ) para ma abordagem por parábolas que nenhuma religião, cristã ou não, por natureza da religião pode fazer. Uma religião qualquer, possui dogmas, explicações teológicas, confissões que não podem ser facilmente movidas sem rupturas muitas vezes drásticas e radicais, não por serem por natureza verdadeiras, pois não há como todas as religiões estarem certas, só um conjunto de crenças é a correta e verdadeira o que exclui naturalmente  as demais. Entretanto no universo dos super-heróis pode se brincar com as parábolas construindo uma ficção que toca eventualmente a realidade sem contudo transgredi-la, pois não se impõe como verdade. Todos sabem que tais super-heróis não existem, que o o seu universo não existe.

O Super -Homem não substitui o Salvador real , Jesus Cristo, e nem com ele compete. Odin diferente da mitologia original nórdica não substitui o Deus real bíblico, tanto quanto os três porquinhos não exitem, não falam, não constroem casas, etc, mas as lições tanto dos super-heróis como dos porquinhos são reais: deve-se optar pela defesa das pessoas, principalmente as boas, defender valores ideias e que constituem valores universais aceitos e consolidados e deve-se rechaçar qualquer dominador e destruidor da espécie humana.

Um herói com essa independência não poderia surgir a partir da cultura socialista, fascista, comunista, mas de uma condição de liberdade e de plena e ideal democracia, mas que mesmo na democracia trata-se de um ato e de um aposição tão pessoal que só sobrevive no anonimato ou em certa clandestinidade.

Em suma e por enquanto, os quadrinhos e no caso, particularmente o s super-heróis constituem apenas uma manifestação singular, resultante da linguagem do desenho, para expressar uma percepção por parte de determinados artistas comunicando-nos de modo complexo a sua percepção da realidade e ajudando-nos decerta forma a perceber essa mesma realidade.



Helvécio S. Pereira*

Graduado em História da Arte / Desenho e Plástica e Pedagogo





Batman
é um personagem fictício, um super-herói da banda desenhada americana publicada pela DC Comics. Foi criado pelo escritor Bill Finger e pelo artista Bob Kane, e apareceu pela primeira vez na revista Detective Comics em 1938.

..


.


..

..

..

..







..
....


..



ESTÓRIAS DO BATMAN


Desde a origem até os dias atuais!

...



BAIXE HISTÓRIAS EM QUADRINHOS GRÁTIS!

CLIQUE




domingo, 27 de maio de 2018

MAIS UM IMPORTANTE PIANISTA UCRANIANO VEM A BELO HORIZONTE, VADYM KHOLODENKO

As pessoas sem informação não entendem que todos os pianistas que trilharam duas décadas obrigatórias de formação em piano, são em tese, capazes de tocar as mesmas peças musicais. É verdade que para todos os músicos, o repertório, tão vasto e impossível de ser esgotado por qualquer instrumentista, leva cada músico, por gosto pessoal, sensibilidade pessoal, a tocar mais e melhor certos compositores, estilos musicais, etc. Igualmente é verdade que a cultura predominante em qualquer país influencia diretamente a identidade e, claro, performance de cada músico.

Desse modo quem será o melhor autor e interprete de country a não ser de Nashiville ou de samba o Rio de Janeiro? Assim se enquadra os pianistas de origem na Europa Oriental. Diferentemente do Brasil, os seus locais e cidades de origem criam o clima favorável a uma grande e maior sensibilidade ao piano clássico ou à música clássica ou de conserto.

Acrescente-se a isso a execução pessoal, que funciona para um ouvido mais apurado, como o detalhe fino, imperceptível a quem não conheça tais composições musicais, tais compositores e cada contexto histórico/cultural no qual cada composição foi realmente feita.

O público de música de concerto é um público que privilegia certo grau de informação relacionada ao que ouve e vê embora até no contexto de música tão complexa, a sensibilidade, a fruição da música seja parcela importante desse complexo e rebuscado prazer.

Recebi essa semana, um pedido carinhoso, para escrever sobre esse pianista que se apresenta em Belo Horizonte, no domingo 03 de junho de 2018, da produção dessa importante apresentação. Confesso que não o conhecia e tive que pesquisar, assistir algumas de suas apresentações e atentar para a sua biografia e carreira. E obviamente a conclusão não poderia ser outra: a de constatar mais um importante talento e virtuose, dono de uma técnica apurada, que é um desafio a todos os que puderem vê-lo e ouvi-lo nesse dia, maiormente pianistas, professores de piano, estudantes de piano ou como eu alguém que embora ame esse magnífico instrumento e o entenda nos seu mecanismo, e entenda a música executada nele explorando toda a sua enorme potencialidade, e por algum motivo não tenha tido a formação para toca-lo, mas para ouvi-lo possa se deliciar com sua apresentação única.

E por que única? pode-se comprar um CD com as mesmas composições e ouvi-las em casa ou no seu carro, o que também é muito prazeroso entretanto a performance ao vivo é sempre única, por mais que duas apresentações do mesmo instrumentista seja exata e metricamente iguais ( e na verdade o são, a música erudita, clássica ou de concerto é bastante exata! ) há sempre algo que só acontece uma vez! a emoção do músico/ instrumentista, a sua relação com a orquestra e o regente, quando há e com o público espectador e ouvinte. É justamente essa a grande e importante diferença!

Por Helvécio S. Pereira
Graduado em Desenho, Plástica e História da Arte/ Pedagogo


PARA VER



SOBRE VADYM KHOLODENKO



{ Medalha de ouro no Concurso Internacional de Piano VanCliburn em 2013, o pianista ucraniano Vadym Khodolenko abre a "Série Virtuosi- Concertos Internacionais".

Dia 03 de junho, às 19 horas, o Grande Teatro do Palácio das Artes receberá um dos grandes pianistas da atualidade, o ucraniano Vadym Kholodenko. Vencedor da cobiçada Medalha de Ouro do Concurso Internacional Piano Van Cliburn em 2013, um dos mais importantes do mundo, o pianista fará a abertura da temporada de 2018 da “Série Virtuosi -Concertos Internacionais”.Nascido em Kiev em 1986 e formado pelo Conservatório de Moscow (Rússia), Vadym Kholodenko é um dos mais aclamados pianistas da nova geração, tendo sido declarado pela crítica como um artista de interpretações “impecáveis, vibrantes e de bom gosto” (Cleveland Plain Dealer). 


Com uma agenda intensa, Kholodenko estará em junho em turnê pela América do Sul, passando por cidades como Porto Alegre, Rio de Janeiro, Bogotá e Santiago e, após isso, seguirá para uma turnê por várias cidades no Japão.Ao longo de sua carreira, apresentou-se com importantes regentes, como Yuri Bashmet, Vladimir Spivakov, Mark Gorenstein, Alexander Rudin, Dmitry Liss, Eugeny Bushkov e Alexander Sladkovskiy. Nessa temporada, o pianista lançará pelo selo Harmonia Mundi a gravação dos 5 Concertos para Piano e Orquestra de Prokofieff, atuando frente a Sinfônica de Fort Worth. Além de suas atividades como solista de grandes orquestras, Kholodenko é um dedicado camerista, atuando em parceria com vários grupos, como o Quarteto Brentano. A Série Concertos Virtuosi Promovida pela Virtuosi Produções Artísticas, produtora cultural de Belo Horizonte, a “Série Virtuosi - Concertos Internacionais” tem por finalidade trazer grandes concertos ao Brasil. 

Para a temporada de 2018, estão confirmados grandes nomes, como os pianistas como Vadym Kholodenko e Yeol Eum Sum (vencedores do Concurso Van Cliburn, um dos mais importantes do mundo), a violinista Sarah Chang e a soprano Sumi Jo.De acordo com o diretor da Virtuosi Produções, o pianista Ederson Urias, a série pretende colocar Belo Horizonte no mapa de concertos internacionais de grande porte: "O Brasil é bastante longe da Europa, então são poucos os grandes solistas dispostos a cruzar o oceano para se apresentar aqui. Quando eles chegam, geralmente se apresentam no Rio de Janeiro e em São Paulo e raramente visitam Belo Horizonte, mesmo a cidade estando a apenas 1 hora de avião e tendo uma população grande. É uma pena e estamos fazendo o possível para reverter essa situação ao trazer para a cidade grandes nomes da cena internacional.”

Serviço:
Local: Grande Teatro do Palácio das Artes
Dia : 03/06
Horário : 19:00
Ingressos: Entre R$ 30,00 e R$ 100,00.
Endereço : Av. Afonso Pena, 1537 - Centro, Belo Horizonte - MG
Informações : http://www.fcs.mg.gov.br/











PARA OUVIR








ACESSE A PÁGINA DA PRODUTORA DO EVENTO PARA TODAS AS INFORMAÇÕES:

CLIQUE 

COMPARTILHE ESSE POST!

"GALHOS SECOS" ( PARA A NOSSA ALEGRIA )

PROVA QUE BRASILEIRO MÉDIO GOSTA MESMO DE ESQUISITICES É QUE A VERSÃO ACIDENTAL E PATÉTICA DESSA CANÇÃO TEVE MAIS DE 16 MILHÕES DE ACESSOS( dados já completamente desatualizados ) E ESSA NÃO!

AS MAIS VISTAS NO BLOG

AMADORES...quando vídeo e música se fundem

GALERIA DE ARTE

GALERIA DE ARTE
Retrato de mulher Artista Henrique Maciel BH/MG técnica Grafite sobre papel

Estamos cadastrados no BlogBlogs!

Marcadores